É muito importante fortalecer a estrutura pélvica para evitar a incontinência urinária.

O assoalho pélvico é o conjunto muscular responsável pela sustentação da região da bacia. Ele segura a bexiga e os órgãos reprodutivos femininos e, durante a gestação, o protege o útero e acomoda os órgãos internos. Essa estrutura é formada por treze músculos e funciona como uma “cama elástica”, um berço para o bebê.

Durante a gestação, a mulher passa por diversas mudanças nessa região, que ajuda a segurar o peso do bebê e a placenta. Por isso, é importante começar a exercitá-la o quanto antes.

As alterações hormonais ocasionadas por mudanças biológicas do corpo humano durante a gestação também podem colaborar para alterações no seu funcionamento ideal, já que a região ajuda na sustentação do bebê na barriga da mãe.

Uma lesão nessa musculatura, ou até mesmo seu enfraquecimento, pode causar complicações como a incontinência urinária, bexiga hiperativa, constipação e escapes de xixi (ao tossir, dar risada e durante prática de atividades físicas). Em casos mais avançados, o desgaste pode levar a queda e deslocamento dos órgãos da região.

Muitas mulheres não sabem contrair essa musculatura por falta de consciência corporal, por isso, a primeira atitude é reconhecer esse assoalho. Quando “seguramos o xixi” estamos contraindo o assoalho pélvico e quando liberamos, estamos relaxando a estrutura. Essa consciência pode ser útil até na hora do parto, principalmente o normal.

As vantagens dessa atividade física simples, rápida e prática serão muitas: prevenção da incontinência urinária e prolapso, melhor apoio durante a gravidez e pós-parto e também uma vida sexual mais satisfatória. Simples e discreto, o exercício pode ser feito de forma confortável e tranquila.

A melhor forma de melhorar a sustentação do útero fortalecendo a estrutura acontece nas seguintes etapas:

1- Deite-se de costas e apoie a coluna no chão, mantendo os joelhos afastados com os pés apoiados no chão.

2- Levante o quadril e aproxime os joelhos contraindo a região do assoalho pélvico. Mantenha por alguns segundos e volte na posição inicial.

3- Repita por 10 vezes essa atividade e perceba a diferença!

Fontes:

Hospital Universitário da Universidade de São Paulo – USP
Revista Saúde
Baby Center
Green Me